sábado, 29 de março de 2014

Sessão Retrô: Câmera Polaroid

Bem meninas, vou começar explicando que eu sinto uma certa atração por coisas antigas, acho que elas nunca perdem o charme. O assunto de hoje é sobre a câmera polaroid. Se tornou conhecida por volta dos anos 50, são aquelas famosas câmeras que revelam a fotografia na mesma hora, instantânea. É super comum vocês verem em filmes e até em alguns clipes, artistas usando-a. Como eu disse que tudo que é antiguinho, com uma pegada mais retrô tem um certo charme, veja algumas fotos:






O modelo antigo, o preço varia entre: R$150 a R$500, o ponto negativo da câmera é que o filme dela é um pouco caro, cerca de R$:100 apenas 40 fotos, mas é um investimento que pode sim valer a pena (viu mãe).







P.S. pra quem percebeu, essa câmera é a mesma do ícone do instagram, muito fofo né? haha 

É isso meninas, espero que tenham gostado e se inspirado rs. Beijos a todas.
segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Entre o amor e a loucura




Há quem diga que paixão é para os bobos, mas na verdade paixão é para os loucos. Loucos o suficiente pra se jogar de cabeça e não pensar nas consequências. As melhores histórias de amor até hoje ja contadas envolve loucura. 

O que seria da Guerra de troia sem a loucura de Helena que largou tudo para viver um amor? O que seria de Shakespeare se Julieta não tivesse tomado o maldito veneno? O que seria da Cinderela se ela tivesse obedecido sua madrasta? Seriam pessoas infelizes, frustadas.

Loucura é algo que tem que estar presente em nossa vida, em nossas escolhas, e principalmente em nosso coração. Sei que o que fiz não é certo, ou talvez seja só loucura acompanhada de umas doses de vodca. Apesar de tudo, prefiro ser chamada de louca ao ter a minha vida desperdiçada com alguém que só me rejeita. 

E aos que dizem que eu vou me arrepender. Vocês podem estar certos, provavelmente estão. Mas minha loucura é de dentro pra fora, se não der certo eu me reinvento e começo tudo de novo. Porque é a vida.

E que a minha loucura seja perdoada, porque metade de mim é amor, e a outra metade também. 

Então eu escrevo pra você. Até onde é capaz de ir por um amor? Até onde sua loucura permite? Há. Porque de amor e vodca a gente entende né. 


segunda-feira, 20 de maio de 2013

E onde tudo começou...

 

  Nos conhecemos em uma madrugada de janeiro, e cá estou eu no meio da noite pensando em você...

  Eu nunca fui do tipo de ter muitos amigos em uma tal rede social denominada Facebook, e muito menos falar om desconhecidos no mesmo afinal, as vezes eu escuto a minha mãe. Mas ultimamente eu tenho sido o tipo certo que se apaixona fácil. Por algum motivo, talvez carência. Eu respondi o seu 'oi', e assim tudo começou...

  Depois de algumas decepções eu aprendi com meus erros, ou talvez não. Você era fofo e eu gostava disso. Sempre tive quedas por garotos fofos, tímidos e com barba; Embora você não a tenha. Tudo foi acontecendo e eu decidi deixar fluir. Você me disse não ser um príncipe, eu te disse já ser grandinha para contos de fada. 

  Nosso maior problema era a distância, ela que te impedia de me esquentar das frias madrugadas que tem feito no Rio de Janeiro. E agora eu te tenho aqui do meu lado; Tão perto e tão distante. Talvez quando você voltar para sua cidade do interior, você ligue para sua ex e a diga o quanto ela é importante e o quanto você não consegue viver sem ela. Ou talvez você se der conta que eu sou a mulher da sua vida e pegue aquele ônibus velho com cheiro de mofo no qual você é alérgico, e no dia seguinte me traga flores na saída da escola e nos beijaríamos. Talvez eu consiga te esquecer e assim poder voltar a dormir como uma pessoa normal, sem andar por ai parecendo os zumbi da série que você tanto ama.

  E talvez nos encontramos numa praia no tipico verão carioca, você com sua prancha de surf e eu com meu livro do Paulo Coelho. Poderíamos pedir uma água de coco, e nos beijar como o primeiro beijo de Jack e Rose, no qual é o meu preferido. Seríamos só nós dois, um livro e um bom reggae. E assim eu escreveria meu conto de fadas; Porque cá entre nós, eu sempre quis ser princesa.  







quinta-feira, 2 de maio de 2013

Amigas para sempre, falsidade a parte

 Eu não sei exatamente como começar, eu poderia começar lembrando do tempo em que nos conhecemos. Você era a mais alta da turma, seu casaco de tricô vermelho, seu cabelo cheio de cachos que caiam sobre seus olhos bem marcados de lápis preto. Nós eramos três, numa época onde acreditavam ser invencíveis até porque, nada nem ninguém conseguiu nos separar. Isso era o que eu pensava. Ingênua menina.

 O tempo passou e ele parece não simpatizar muito comigo afinal, ele sempre me leva pessoas. Nós três nos  reencontramos alguns anos depois em uma nova escola. E eu poderia escrever mais 15 linhas sobre nós três, mas esse texto trata-se de nós duas.

 Sim, dessa amizade que parecia ser  verdadeira, quando conversávamos sobre garotos ou até mesmo quando você fingia se importar com as minhas crises existenciais. Porque no final só passou disso, fingimento. Eu não questiono se você realmente se importou comigo algum dia, você nos trocou por aquilo que você julgava ser.

 Hoje nós não nos falamos mais, talvez por algum motivo que tenha ficado perdido no tempo. Agora você anda com meninas estranhas, e talvez eu tenha ficado com a melhor parte de nós duas. O nosso boyfriend. Que hoje em dia é só meu. Coitada, não sabe o que perdeu.

 E se daqui a dez anos você me avistar numa biblioteca num fim de tarde chuvoso, o que não seria improvável já que compartilhamos a mesma paixão por leitura. Me chame para tomar um café, pra podemos conversar sobre o tempo que passará, até lá ele pode até ter virado meu amigo. E talvez seremos nós três de novo. Como nos velhos tempos; andando em uma rua qualquer de Londres, cantando musicas idiotas, e esquecendo aquilo que hoje é a nossa realidade. E quem sabe até lá eu volte a confiar em você, e nos seus olhos pretos bem marcados.



PS¹:  Esse texto foi escrito para uma ex-amiga. Eu, ela e o que se tornou hoje meu melhor amigo; eramos BFF. Mas tudo na vida passa, inclusive pessoas. Embora eu saiba que ela nunca vá ler, serve como uma espécie de despedida já que nem ao menos tivemos uma. E é isso, preserve suas amizades; a pior coisa do mundo é ver alguém que antes era tão importante se tornando um desconhecido.

PS²:  A demora com os post's foram decorrentes de um mal funcionamento do meu computador ( vírus desgraçado), pelo que parece ele voltou ao normal mas nunca se sabe. Desculpas pelo atraso Girl's, espero que tenham gostado, rs.
Beijooos







sábado, 13 de abril de 2013

Dá o play: Porque não eu?

Olá meninas, para quem vai passar esse sábado chuvoso em casa e estudando para as provas, eu recomendo 'Porque não eu?'. Uma parceria do Hebert Viana com Leoni. Essa música é ótima, é uma das minhas preferidas do Leoni. Então deem o play que não vão se arrepender.



Quando ela cai no sofá
So far away
 Vinho é beça na cabeça 
Eu que sei...

Bem meninas, por hoje é só. Amanhã tem post novo. Um beijo e espero que curtam o sábado. Beijos


Minha foto
Meu nome é Bruna Nogueira, moro no Rio de Janeiro, tenho 16 anos. Apaixonada por livros, filmes de drama, apanhador de sonhos, e Renato Russo.

Fan Page!

TwitterFacebook

Faça Parte

Tecnologia do Blogger.

Follow by Email